Igreja, Corpo de Cristo

eucaristia

“Isto é meu Corpo que é dado por vós!”
Cristo doa Seu Corpo para Aquela que quis por Esposa, a Igreja.
Maravilhoso mistério em que, ao doar-se por inteiro, faz com que Ela mesma se torne Seu Corpo! Realiza-se assim o que está escrito: “Por isso o homem deixa seu pai e sua mãe para se unir à sua mulher, assim já não são dois, mas um só corpo.”
Todas as realidades terrenas, criadas e desejadas pelo Criador, convergem para uma realidade superior e eterna. Também, e podemos dizer, principalmente, o matrimônio, a união perene e profunda entre duas pessoas, foi desejada para expressar na nossa linguagem a união que Deus tem com Sua Igreja, que é cada um de nós e todos nós juntos!
Esse mistério é grande, já dizia São Paulo, e maravilhoso! Ele nos quer unidos a Si para sempre, transformados nele, sem que com isso percamos nossa identidade única. Cada pessoa é a única Esposa de Cristo, e todos juntos Somos essa única Esposa que é a Igreja!Não há porque pensar que isso seja impossível. Existe algo impossível para o Todo-poderoso?

Para Ele podemos cantar, com Ir. Glenda:
“Tu me amarás, eu te amarei, Aliança eterna entre tu e eu
Tu me amarás, eu te amarei, até que a morte nos una mais!”

Ele nos dá Seu Corpo precioso, e nós nos doamos a Ele, numa entrega total à nossa missão de amar aos irmãos!

Anúncios

Teresa de Jesus e o Cantico dos Canticos

esposa de cristo 1
Santa Teresa de Jesus, apesar de ter vivido na Idade Média, tinha um espírito muito adiantado para a mentalidade de seu tempo, e possivelmente para mentalidade atual também!
Quantas pessoas não se escandalizam ao ler o Livro Sagrado do Cântico dos Cânticos? Quantas o evitam para que não lhe venham a mente o que chamam de pensamentos torpes?
Neste trecho que compartilharemos hoje veremos a visão que ela tinha de livro tão belo e precioso para a espiritualidade.

Do livro “Conceitos do amor de Deus”
Capítulo I (trechos)
“Beije-me o Senhor com o beijo de sua boca, porque valem mais os teus peitos do que o vinho…” (Ct 1,1)

Parecer-vos-á que há nestes Cânticos algumas coisas que se poderiam dizer com outro estilo. É tanta a nossa torpeza que eu não me espantaria; e até ouvi pessoas dizerem que antes fugiam de escutá-las. Oh! Valha-me Deus! Que grande miséria a nossa! Que assim como as coisas peçonhentas transformam em veneno tudo quanto comem, assim também acontece conosco, que, de graças tão grandes quanto a que nos faz aqui o Senhor ao permitir que entendamos o que possui a alma que o ama e animá-la para que para que possa falar e regozijar-se com Sua Majestade, temos de ter medo e dar sentido de acordo com o pouco amor de Deus que temos.
Ó Senhor meu, como nos aproveitamos mal de todos os bens que nos dais! Vossa Majestade buscando modos, maneiras e artifícios para mostrar o amor que nos tendes; nós, pouco experientes em amar-vos, temo-vos em tão pouco que, de tão mal exercitados nisso, permitimos que os pensamentos vão para onde estão sempre e deixam de pensar nos grandes mistérios que esta linguagem, dita pelo Espírito Santo, encerra em si. Que mais seria necessário para nos acender em Seu amor e pensar que boa razão tivestes para empregar este estilo?
Eu me lembro de ter ouvido um religioso fazendo um sermão muito admirável que se dedicou em especial a falar dos regalos com que a Esposa tratava com Deus. E houve tantos risos que o que ele disse foi tomado tão mal, porque falava de amor, que eu fiquei espantada. E vejo com clareza ser o que tenho dito: praticamos tão mal o amar a Deus que não nos parece possível que uma alma trate dessa maneira com Ele.
Contudo, conheço algumas pessoas que tiraram disso tão grande bem, tanto prazer, tanta libertação de temores que tiveram de dar louvores a Nosso Senhor muitas vezes, esse Senhor que deixou um remédio saudável para que as almas que o amam com amor ardente entendam e vejam que é possível Deus se rebaixar tanto. Elas veem aqui demonstrada a sua segurança!
E sei de uma que ficou muitos anos com muitos temores, não havendo quem lhes desse segurança até que o Senhor fosse servido de que ela ouvisse algumas coisas dos Cânticos, e nelas entendesse que sua alma estava no caminho certo.